HISTÓRIA DA EMPRESA

A MICROLIME – Produtos de Cal e Derivados Lda foi fundada em Fevereiro de 2000 pelo Engº Joaquim Manuel Vieira Brites Fernandes, com o objectivo de explorar a Unidade Industrial de Produção de Cal por si adquirida à Siderurgia Nacional Empresa de Serviços S A, em finais de 1999.

Essa aquisição integrou-se na política de autonomização de algumas unidades industriais levada a cabo pela Siderurgia Nacional – Empresa de Serviços SA como forma de atenuar o impacto social decorrente do encerramento da Via Integrada de Produção de Aço.

O projecto mereceu o apoio do programa Resider, enquadrado no QCA II e comparticipado pelo FEDER e pelo Estado Português, que concedeu incentivos aos projectos decorrentes da reestruturação do sector siderúrgico.

A Microlime obteve o licenciamento industrial para a produção de Cal.

Durante todo o ano de 2000 e parte do primeiro trimestre de 2001 a Microlime explorou a Unidade Industrial de Produção de Cal fundamentalmente para abastecer a aciaria da SN-Empresa de Serviços SA.

Em Março de 2001, tendo encerrado a produção de aço na Siderurgia Nacional Empresa de Serviços S A, deu-se início à realização do projecto de investimento para modernização e automatização da unidade fabril da Microlime. Esse projecto, com um valor de cerca de Euros 750.000,00 foi financiado em 1/3 por capitais próprios, 1/3 pelos fundos Resider e 1/3 por financiamento bancário.

A inactividade, inicialmente prevista para durar três meses, veio a ser prolongada por cerca de nove meses devido, por um lado, à antecipação do encerramento da produção de aço da SNES, de Junho 2001 para Março 2001, e, por outro, ao atraso do arranque da nova aciaria da SN-Seixal, de Outubro 2001 para Maio 2002. Assim, a Microlime só voltou a reiniciar a produção industrial de cal no inicio de 2002, sem dispor de qualquer cliente âncora.

Durante 2002 A Microlime conseguiu conquistar o seu mercado evoluindo para vendas estabilizadas da ordem das 1.500 tons por mês.

Nos triénio seguinte,  2003, 2004 e 2005, a Microlime consolidou a sua evolução com taxas de crescimento de 66%, 29% e 15%.

O ano de 2006 apresentou-se como um ano de grandes transformações na empresa.

No início do ano foi introduzida a produção industrial de cal dolomítica (cuja produção experimental ocorrera com sucesso no 2 semestre de 2005).

Em Abril realizou-se uma prolongada grande reparação durante a qual se introduziram alterações técnicas que vieram a proporcionar um aumento de produtividade de mais de 30 %.

Em Junho deu-se a entrada no capital da Microlime da empresa catalã Cales de Pachs, SA e simultaneamente a transformação da Microlime em sociedade anónima aumentando o seu capital social para 257.500 Euros.

Com a entrada de Cales de Pachs SA no capital da Microlime deu-se início ao processo de ampliação cujo objectivo era adquirir uma pedreira com matéria prima de qualidade e, junto a ela, construir uma fábrica nova com fornos modernos capazes de produzir uma cal de elevada qualidade capaz de corresponder às necessidades de qualquer sector consumidor.

Os anos de 2007 e 2008 foram anos de consolidação com crescimentos de 25% e 4% respectivamente. Em 2007 foi ainda obtida a Licença Ambiental e em 2008 fizeram-se os investimentos ambientais consignados na referida licença. Em relação ao projecto da nova fábrica foram tentadas várias localizações para a pedreira e a fábrica que não lograram obter aprovação das entidades públicas.

Em 2009 a empresa também foi afectada pela crise e o seu nível de produção situou-se em níveis um pouco superiores aos de 2006. No final desse ano realizou-se o contrato de compra e venda de uma pedreira e deu-se início ao processo de licenciamento da nova fábrica.

Em 2010 voltaram a fazer-se investimentos que potenciaram novo aumento de produtividade de cerca de 15% e simultaneamente foram introduzidas melhorias ambientais. Foi desenvolvido e projecto da nova fábrica e iniciado o Estudo de Impacte Ambiental, que viria a ficar concluído em meados de 2011.

Em 2012 a Microlime viu-se forçada a mudar a localização da nova fábrica e rapidamente conseguiu encontrar nova e melhor localização, adquiriu uma outra pedreira e iniciou novo processo de licenciamento e de aquisição dos terrenos circundantes da pedreira de modo a permitir dispor de reservas significativas.

A nova localização, lugar da Maxieira, freguesia de Fátima, Concelho de Ourém, além de ter dado acesso a matéria prima de excelente qualidade mereceu a concordância das várias entidades envolvidas.

Assim, em 2015 a Microlime conseguiu terminar o licenciamento da nova fábrica de Fátima e começar a sua construção a qual ficou concluída no final de Maio de 2017.

A nova fábrica está inserida numa área de 30 hectares, propriedade da Microlime, que potencia reservas de matéria prima de elevada qualidade para cerca de 100 anos.